Cazaquistão

Astana

Maior país da Ásia Central, o Cazaquistão (1991) foi o último a declarar a independência após a dissolução da União Soviética. Com uma economia assente não apenas na exploração de petróleo, mas também nas exportações de trigo, têxteis e urânio, este país transcontinental atingiu um alto - IDH Índice de Desenvolvimento Humano, na sequência do seu acelerado e progressivo desenvolvimento. 

Nursultan, antiga Astana, é a capital deste país e foi criada precisamente para esta função, à semelhança do que aconteceu com Brasília. Este facto faz com que a cidade seja um interessante cruzamento entre o antigo e o moderno, este com um estilo arquitetónico irreverente, da autoria de Norman Foster. A torre Bayterek, o museu nacional, o palácio da paz e da reconciliação, o palácio da Independência e os imponentes e modernos shoppings, com destaque para o Khan Shatyr, são bons exemplos deste ar cosmopolita e até futurista da capital cazaque. A mesquita do Sultão Hazret, a mesquita Nur Asting, com a sua cúpula verde,ou o monumento ao Povo do Cazaquistão, são outros motivos de interesse em Nur-Sultan. A “alma cazaque” reside, contudo, em Almaty, a antiga capital e cidade mais populosa. Localizada junto à “montanha azul” de KóK Tóbe, Almaty mantém-se como centro cultural e comercial do país, preservando uma simbiose perfeita entre monumentos históricos e zonas verdes e de lazer. O grande lago de Almaty, o parque dos 28 guardas Panfilov, o memorial da glória, as catedrais Zenkov, São Nicolau e a catedral Kazak, bem como as mesquitas Central e Baikene os monumentos de homenagem a Ivan Panfilov ou a Zhambyl Zhabayev são lugares imperdíveis nesta cidade. Destacar ainda que os muitos espaços verdes de Almaty acabam por ser transformados em pistas de ski quando neva, atraindo ainda mais visitantes.

A riqueza natural e cultural do Cazaquistão está ainda patente na lista de cinco lugares classificados como património da Unesco. Um deles é o mausoléu inacabado de Khoja Ahmad Yasawi, em Turkistan, com a sua cúpula verde e azulejos dourados e que é dos mais bem preservados da época timúrida. Seguem-se os 5 mil conjuntos de petróglifos do desfiladeiro de Tamgaly e a Rota da Seda (rotas do corredor de Chang’an-Tianshan), com mais de 5 mil kms. Na lista da Unesco figura ainda Saryarka - as estepes e lagos do Cazaquistão meridional, com uma enorme riqueza de fauna, nomeadamente de aves migratórias, e ainda Tien Shan ocidental, com uma enorme diversidade de paisagens e uma biodiversidade excepcionalmente rica. 

País seguro, de gentes hospitaleiras e de uma diversidade cultural interessante, o Cazaquistão, “País das Maravilhas”, tem de facto uma mescla de atrativos. A beleza natural é muita e diversa (o parque nacional Altyn-Emel ou o desfiladeiro Charyn são também imperdíveis), o património cultural é rico e a mistura entre o passado e a modernidade valorizam as cidades deste gigante asiático, o nono maior país do mundo.

Cazaquistão
  • Cazaquistão (KAZ)
  • Capital: Nursultan
  • Região: Asia (Central Asia)
  • Fuso Horário: +05:00, +06:00
  • Denominação: Kazakhstani
  • Area: 2 724 900 km2
  • Fronteira com:
    CHN, KGZ, RUS, TKM, UZB
  • População: 17 753 200
  • Lingua: Kazakh, Russian
  • Moeda: Kazakhstani tenge
  • Internet: .kz, .қаз
  • Telefone: +76, +77