Crimeia

Simferopol

Território disputado por russos e ucranianos, a Crimeia declarou a sua independência da Ucrânia em 2014, tendo um referendo ditado a vontade da população em voltar a anexar-se à Federação Russa. Com traços claramente soviéticos e uma associação óbvia à Rússia, a população da Crimeia e até mesmo os russos nem colocam em causa qualquer associação à Ucrânia, embora os sucessivos governos ucranianos insistam nesta disputa. Vários fatores explicam a situação: a posição geopolítica (com saídas importantes para o Mar Negro e para o Mar de Azov), o potencial económico da península, bem como a presença de vários povos com forte ligação à antiga União Soviética, fulcrais para o sentimento nacionalista que a Rússia tem procurado exacerbar.

Num limbo político mais teórico que real, a Crimeia está atualmente anexada à Rússia com duas entidades diferentes: a República da Crimeia e cidade federal da Sebastopol. A capital da Crimeia é Simferopol, a “cidade do bem comum”. Palco de vários conflitos ao longo dos anos, a cidade tem vários parques e inúmeras igrejas. O Parque Salgirka, o Parque das Crianças, o Parque Yuri Gagarin, a Catedral da Santíssima Trindade, a Catedral Aleksandr Nevskiy são algumas das atrações da cidade. Kerch, uma das mais antigas cidades da região e palco de uma das maiores batalhas da II Guerra Mundial, é outro ponto de destaque no mapa da Crimeia e um importante pólo industrial e turístico. Localizada entre o Mar Negro e o Mar de Azov, a cidade tem como locais de destaque as ruínas de Panticapaeum, uma antiga cidade grega, a Igreja de São João Batista, o Obelisco da Glória, o Forte de Kersh, a Cripta de Demetra e as ruínas de Mirmecium, de Tiritaka e de Nimphei. Eupatória, com a grande mesquita Juma Jami, e Teodósia (cidade povoada por tártaros, gregos e genoveses) com a sua enorme fortaleza, são mais duas cidades em destaque na República da Crimeia. Ialta, conhecida por ter sido palco de uma das conferências que ditou o fim da II Guerra Mundial, é outro ponto de paragem obrigatório. Esta estância balnear tem como pontos de interesse o Palácio de Livadia (onde decorreu a Conferência de Ialta), o Palácio Ninho de Andorinha e o Monumento de Lenine. No território da Crimeia encontra-se ainda uma das mais importantes cidades russas, uma das três cidades federais, a par de Moscovo e São Petersburgo: Sebastopol. Com 330 mil habitantes, a cidade federal é uma importante base naval russa e um pólo industrial e turístico do país. O Museu de Arte, o Museu de Guerra Panorama, a Baía, o Museu Naval, o Monumentos aos Navios Afundados, o Cemitério de Guerra, a Catedral de São Vladimir e a Estátua em homenagem aos soldados que defenderam a cidade são locais de destaque em Sebastopol, uma cidade de importância fulcral para o Kremlin. Também próximo à cidade encontra-se um local classificado pela UNESCO como Património Mundial, a Cidade Antiga de Queroneso e a sua Chora, com muralhas, um anfiteatro, um templo e várias sepulturas com influências gregas, romanas e bizantina, além dos vários quilómetros de terras com prensas de uvas e torres defensivas. Até nos nomes atribuídos a esta cidade se vê a dicotomia do território da Crimeia. Queroneso é apelidada de “Pompeia Ucraniana” e de “Troia Russa”.

Apesar do braço de ferro, a questão da Crimeia é uma questão mais internacional que local, sendo assumido pelas suas gentes uma pertença total à Rússia, apesar de alguns aspetos em que a autonomia é exigida e aceite pelo Kremlin.

 

 

Território disputado por russos e ucranianos, a Crimeia declarou a sua independência da Ucrânia em 2014, tendo um referendo ditado a vontade da população em voltar a anexar-se à Federação Russa. Não reconhecida pela ONU, esta anexação tem estado na base de um conflito permanente na região. Vários fatores explicam esta disputa pelo território: a posição geopolítica (com saídas importantes para o Mar Negro e para o Mar de Azov), o potencial económico da península, bem como a presença de vários povos com forte ligação à antiga União Soviética, fulcrais para o sentimento nacionalista que a Rússia tem procurado exacerbar.

Num verdadeiro limbo político, a Crimeia está atualmente anexada à Rússia com duas entidades diferentes: a República da Crimeia e cidade federal da Sebastopol. A capital da Crimeia é Simferopol, a “cidade do bem comum”. Palco de vários conflitos ao longo dos anos, a cidade tem vários parques e inúmeras igrejas. O Parque Salgirka, o Parque das Crianças, o Parque Yuri Gagarin, a Catedral da Santíssima Trindade, a Catedral Aleksandr Nevskiy são algumas das atrações da cidade.

Kerch, uma das mais antigas cidades da região e palco de uma das maiores batalhas da II Guerra Mundial, é outro ponto de destaque no mapa da Crimeia e um importante pólo industrial e turístico. Localizada entre o Mar Negro e o Mar de Azov, a cidade tem como locais de destaque as ruínas de Panticapaeum, uma antiga cidade grega, a Igreja de São João Batista, o Obelisco da Glória, o Forte de Kersh, a Cripta de Demetra e as ruínas de Mirmecium, de Tiritaka e de Nimphei.

Eupatória, com a grande mesquita Juma Jami, e Teodósia (cidade povoada por tártaros, gregos e genoveses) com a sua enorme fortaleza, são mais duas cidades em destaque na República da Crimeia. Ialta, conhecida por ter sido palco de uma das conferências que ditou o fim da II Guerra Mundial, é outro ponto de paragem obrigatório. Esta estância balnear tem como pontos de interesse o Palácio de Livadia (onde decorreu a Conferência de Ialta), o Palácio Ninho de Andorinha e o Monumento de Lenine.

No território da Crimeia encontra-se ainda uma das mais importantes cidades russas, uma das três cidades federais, a par de Moscovo e São Petersburgo: Sebastopol. Com 330 mil habitantes, a cidade federal é uma importante base naval russa e um pólo industrial e turístico do país. A Reserva Arqueológica de Chersonesus, o Museu de Arte, o Museu de Guerra Panorama, a Baía, o Museu Naval, o Monumentos aos Navios Afundados, o Cemitério de Guerra, a Catedral de São Vladimir e a Estátua em homenagem aos soldados que defenderam a cidade são locais de destaque em Sebastopol, uma cidade de importância fulcral para o Kremlin.

Alheios ao desagrado internacional, nomeadamente da União Europeia e dos Estados Unidos, pela anexação da Crimeia e aumento do imperialismo soviético na região, os russos não desarmam e continuam a preservar este como um dos mais importantes territórios sob a sua alçada.

Crimeia
  • Crimeia (RUSR)
  • Região: Europe (Eastern Europe)
  • Fuso Horário: +03:00
  • Denominação: Crimean
  • Area: 27 000 km2
  • População: 2 284 000
  • Lingua: Russian, Tatar
  • Moeda: Russian Rublo
  • Internet: .ru
  • Telefone: +7