Bielorrússia

Minsk

Independente desde 1991, a Bielorrússia é um dos países resultante do desmembramento da União Soviética. Com 40% do território coberto por florestas, o país tem como trunfo principal uma mistura interessante entre Ocidente e Oriente, que deslumbra os visitantes. Monumentos com diferentes estilos arquitetónicos e uma diversidade de outros tesouros por descobrir, estão espalhados por todo o território. 

Constituída por 6 províncias, a Bielorrússia é um país onde dominam as áreas pantanosas, os riachos e os lagos (mais de 11 000), sendo o Narach um dos mais conhecidos. Os parques naturais também abundam, sendo o mais conhecido aquele que a Bielorrússia partilha com a Polónia, o Białowieża Pushcha, (Bialowieza Firest) que integra bosques antigos e aloja uma enorme variedade de plantas e animais. Este local é Património da UNESCO. A província de Minsk é o coração do país e nela se situa a capital homónima. Teatros, museus e igrejas dos mais diversos estilos arquitetónicos povoam esta capital do Leste Europeu, que tem na Praça de Vitória o principal centro. A Catedral de Santa Maria, o Museu de Stalin, a Ilha das Lágrimas, o edifício da Ópera, a Catedral do Espírito Santo, a Igreja Vermelha ou a de Santa Sofia são alguns dos mais convidativos monumentos da cidade. A Oeste da capital, destaque para quatro castelos de relevo: Lubcha, Lida, Ruzhany e Mir, este último Património Mundial, na província de Hrodna. O Complexo do Castelo de Mir é um exemplo de um belo edifício gótico, que foi sendo alterado, com elementos renascentistas e barrocos. Voltando à província de Minsk, em Nesvizh, mais um local classificado pela UNESCO: o Complexo Residencial, Arquitetónico e Cultural da família Radziwill. Construído no século XVI, os seus traços acabaram por influenciar a arquitetura europeia e soviética. A acrescentar à lista da UNESCO, de assinalar o Arco Geodésico de Struve, um conjunto de triangulações geodésicas, que passa por 10 países. 

Voltando a Hrodna, destacamos o Rio Neman, que atravessa a cidade capital da província. O porto fluvial, o único zoológico do país, a Praça Stefan Batory, a Catedral, o Monumento à II Grande Guerra e o Mosteiro Bridgettine, são locais a visitar. A Sul, a província de Brest também tem múltiplas atrações, entre as quais se destacam o Museu Arqueológico, a Catedral Ortodoxa, o Forte de Brest, e algumas igrejas. No Nordeste do país temos a região dos lagos glaciares e, aqui, destaca-se a Cidade de Vitebsk, centro cultural e comercial do país. Cidade berço do pintor surrealista Chagall, a cidade conta com bairros em que estão expostas algumas obras do artista. De realçar o enorme conjunto de museus e igrejas fazem desta cidade um ponto de paragem obrigatório. Em Mahilou, mais um conjunto de monumentos que documentam a História antiga e mais recente do país, e que inclui a Câmara, os teatros construídos em diferentes estilos arquitetónicos. Na província mais a Sudeste, Homiel, destacamos a Cidade de Gomel. De assinalar o Palácio, um grande número de teatros, galerias de arte e a Estátua de Andrei Gromyko. Realce-se que Gomel fica já próxima da fronteira com a Ucrânia e não muito longe de Chernobyl. Apesar de ter sofrido com o desastre nuclear, os habitantes da província não foram sujeitos à evacuação. 

Apesar do passado conturbado, das dificuldades do presente e das incertezas do futuro, a Bielorrússia é um bom país para quem quer conhecer o que ficou da União Soviética e as mudanças que os territórios e as gentes que a integravam tiverem que sofrer.

Ver foto

Bielorrússia

  • Bielorrússia (BLR)
  • Capital: Minsk
  • Região: Europe (Eastern Europe)
  • Fuso Horário: +03:00
  • Denominação: Belarusian
  • Area: 207,600 km2
  • Fronteira com:
    LVA, LTU, POL, RUS, UKR
  • População: 9,498,700
  • Lingua: Belarusian, Russian
  • Moeda: New Belarusian ruble
  • Internet: .by
  • Telefone: +375